Find the latest bookmaker offers available across all uk gambling sites www.bets.zone Read the reviews and compare sites to quickly discover the perfect account for you.
domingo , 17 fevereiro 2019
Notícias de Última Hora
karabuk bayan escort kastamonu bayan escort burdur bayan escort kirikkale bayan escort nigde bayan escort aksaray escort amasya escort erzurum escort bartin escort batman escort
Home / Notícias / Preso por suspeita de propina, servidor é punido com “repreensão” pela Sefaz

Preso por suspeita de propina, servidor é punido com “repreensão” pela Sefaz

Alvo na operação Grãos de Ouro, que investiga sonegação fiscal, o servidor público estadual Moacir Antônio Marchini foi punido pela Sefaz (Secretaria Estadual de Fazenda) com repreensão por escrito, penalidade mais branda do Estatuto do Funcionário Público. O resultado do procedimento administrativo disciplinar, aberto em 2018, foi publicado na edição de hoje (dia 8) do Diário Oficial do Estado.

Com data de 28 de dezembro e assinado por Luiz Guaraci Fontana, que neste ano já deixou o comando de Sefaz, o despacho do então secretário acolheu parecer da comissão processante e absolveu servidores, sem citar nomes, de valer-se do cargo para obter proveito pessoal e de receber propina.

A reportagem questionou a Sefaz se há outros procedimentos administrativos em curso contra o servidor, mas não obteve resposta até a publicação da matéria.

A punição de repreensão foi por descumprir artigo do Estatuto do Funcionário Público que determina que é dever do servidor “proceder na vida pública e privada na forma que dignifique o cargo ou a função que exerce”. O estatuto prevê penalidades que vão de repreensão à demissão.

Com 38 anos de serviço público, o técnico fazendário Marchini foi preso em 8 de agosto do ano passado na ação do Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado). De acordo com a denúncia da promotoria, ele atua para que seus “clientes” obtenham benefícios fiscais na comercialização de grãos mediante o pagamento de propina.

Um contador disse que fazia depósitos bancários para o servidor a título de empréstimo e também de pagamentos de contas. Os valores variavam: R$ 100, R$ 2 mil.

Após 57 dias na prisão, Marchini foi solto em 3 de outubro. O processo tramita na 1ª Vara Criminal de Campo Grande e também tem como réu o agente fazendário Airton de Araújo. A reportagem não conseguiu contato com a defesa do técnico fazendário. 

Conforme a denúncia, as estratégias incluíam fabricação de crédito podre (crédito inidôneo de ICMS), com a participação de empresas noteiras; e simulação de compra e venda de grãos sem o pagamento de tributos.

Fonte: Campo Grande News

Sobre Ellen Karine Birck

Ellen Karine Birck
20 anos, apaixonada pela minha profissão. Com intuito de trazer notícias, informações, entretenimento e muito mais em primeira mão. Jornalismo com Seriedade!

Veja mais!

Última hora: Bope prende três policiais rodoviários estaduais em Vista Alegre

Três policiais rodoviários estaduais foram presos no fim da manhã desta sexta-feira (15), em Vista ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *