Após carreata, motoristas de aplicativos bloqueiam distribuidora da Petrobras

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
25/05/2018
Redação

Depois de saírem em carreata contra a alta dos combustíveis, motoristas de aplicativos seguiram para a distribuidora da Petrobras, que fica na região da Vila Sobrinho, na Capital, onde no início desta tarde (24) bloqueiam as duas entradas e saídas do local.

A carreata envolveu caminheiros, motoqueiros e motoristas de aplicativos. A concentração ocorreu no posto de combustíveis Caravagio, localizado no Parque Residencial Maria Aparecida Pedrossian e percorreu principais trechos de Campo Grande.

Após ação, os motoristas de aplicativos seguiram para a base da Petrobras. Lá, afirmam que “ninguém entra ou sai”. “Temos a informação de que a distribuidora teria combustível para abastecer a cidade com combustível por mais dois dias, por isso decidimos fechar as entradas”, revela o Uber, Kleber César Mendes Juniro.

Segundo ele, 400 motoristas participam da ação, número que não pode ser confirmado já que o protesto ainda não é acompanhado pela Polícia Militar. “Daqui vamos dividir o grupo. Parte dos motoristas também vão para a distribuidora da Ipiranga onde também vão bloquear as entradas”, adianta.

Distribuidora da Petrobras em Campo Grande (Foto: Marina Pacheco)

Paralisação – No quarto dia consecutivo, a greve dos caminhoneiros contra o aumento dos combustíveis provoca transtornos em vários setores. Postos enfrentam desabastecimento, o Ceasa (Central de Abastecimento de Mato Grosso do Sul) tem falta de produtos, o Consórcio Guaicurus negocia com a Agetran (Agência Municipal de Trânsito) uma eventual redução na oferta de linhas do transporte coletivo e o aeroporto tem querosene até sábado (26).

Encomendas dos Correios devem ter prazos de entrega ampliados devido a paralisação que provocou 41 pontos de bloqueio nas estradas federais do Estado, onde só passam carros de passeio, ônibus e ambulâncias. Já os motoristas de caminhões e carretas são “estimulados” a parar. As cargas perecíveis, como apurado pelo Campo Grande News, tem ficado retidas, enquanto as com animais são liberadas durante os bloqueios.

Caminhoneiros querem a redução da carga tributária sobre o diesel. Reivindicam a zeragem da alíquota de PIS/Pasep e Cofins, além de isenção da Cide (Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico). Impostos representam quase a metade do valor do diesel na refinaria. A carga tributária menor daria fôlego ao setor, impactado em 42% pelo custo do diesel.

(Texto e Foto: CampoGrandeNews)

Quer contar alguma coisa? Então conta pro Notícias MS !

Se você tem alguma informação importante e quer compartilhar, conta pra nós!

Conta aí meu Povo:
WhatsApp (67) 98448-9787

Redes Sociais:
https://www.facebook.com/notims
https://www.instagram.com/noticiasms/

O sigilo é garantido pela lei, envie denúncias, reclamações e sugestões.

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp