Áudios de investigados em operação da PF revelam plano para matar delegado

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
10/07/2021
Redação

Áudios do grupo criminoso que atuava no contrabando de cigarros paraguaios, obtidos pela Justiça de Mato Grosso do Sul durante a Operação Celeritas e Greasy Money, deflagradas na última quarta-feira (7) pela Polícia Federal, revelam conversas entre dois investigados. Os assuntos incluem intenção de matar um delegado de Mato Grosso do Sul, questionamentos do porquê um dos criminosos – que conseguiu fugir após uma apreensão – não teria trocado tiros com os policiais e carros usados por eles, que chegavam a 265 km/h.

No primeiro áudio, os dois investigados exaltam a potência de um dos veículos da organização criminosa, que chega a 265 km/h, e demonstram a negligência ao percorrer as rodovias do Estado. Durante a conversa, um deles afirma que o carro chega a tremer, tamanho excesso de velocidade.

Já na segunda conversa, feita após apreensão em flagrante de uma carreta com 800 caixas de cigarro, os criminosos reclamam do prejuízo e que o delegado responsável pelas investigações não aceitava a propina oferecida. Em seguida, zombam da autoridade policial, comentando que o chefe da organização, citado como “homem”, poderia mandar matá-lo.

Após outros flagrantes, de dois veículos carregados com maconha, um dos investigados questiona o motorista de um dos carros, e pergunta “mas você nem revidou? Deu nem tempo de revidar? (sic)”. Não foi revelado a qual delegado os investigados se referiam, se pertence à Polícia Civil de um dos municípios onde foram feitas as prisões ou à Polícia Federal.

Operação “Celeritas” e “Greasy Money”

 A operação é contra a organização criminosa do contrabando de cigarros paraguaios, tráfico internacional de drogas e lavagem de dinheiro. Foram cumpridos 30 mandados de prisão preventiva e 31 mandados de busca e apreensão, expedidos pelas Justiças Federais de Naviraí e Campo Grande.

Os mandados foram cumpridos nas cidades de Naviraí, Itaquiraí, Eldorado, Tacuru e Bataguassu. As investigações começaram em 2017, e tiveram como alvo principal a organização criminosa em razão da forma imprudente, geralmente em altíssima velocidade, com que seus motoristas conduziam os veículos produtos de roubo e furto, carregados com cigarros paraguaios ou drogas trazidas do Paraguai.

A droga e o cigarro vinham da região de Mundo Novo e com destino a vários estados. Ainda durante as investigações, a Polícia Federal identificou que membros da organização criminosa mencionaram a possibilidade de atentarem contra a vida de autoridades da segurança pública, demonstrando a periculosidade de seus integrantes.

Foram apreendidos, durante as investigações,  2,7 milhões de maços de cigarros paraguaios, cinco toneladas de maconha e 25 veículos, de pequeno e grande portes. Parte do dinheiro proveniente das atividades criminosas do grupo era lavada por outra organização criminosa, chefiada por ex-político local, através de postos de gasolina, casa de shows e utilização de interpostas pessoas “laranjas”.

 

Danielle Errobidarte

Quer contar alguma coisa? Então conta pro Notícias MS !

Se você tem alguma informação importante e quer compartilhar, conta pra nós!

Conta aí meu Povo:
WhatsApp (67) 98448-9787

Redes Sociais:
https://www.facebook.com/notims
https://www.instagram.com/noticiasms/

O sigilo é garantido pela lei, envie denúncias, reclamações e sugestões.

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp