Bolsonaro sobe de 26% para 30% dos votos e lidera isolado; Ciro desponta no 2º lugar, diz pesquisa

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
10/09/2018
Redação

Enquanto isso, Marina Silva aparece com forte tendência de queda e vai para 8% dos votos, empatada com Geraldo Alckmin e Fernando Haddad.

SÃO PAULO – A primeira pesquisa realizada após o atentado sofrido por Jair Bolsonaro (PSL) e com mais
de uma semana após o início do horário eleitoral mostrou que o candidato do PSL teve um forte aumento
nas intenções de voto, tanto no cenário espontâneo quanto estimulado. Enquanto isso, o ex-presidente Luiz
Inácio Lula da Silva (PT), que teve a sua candidatura barrada pelo TSE (Tribunal Superior Eleitoral) na
madrugada do último dia 1, despencou nas intenções de voto no cenário espontâneo.
É o que mostra a mais recente pesquisa FSB/BTG Pactual, divulgada nesta segunda-feira (10) e registrada
no TSE (Tribunal Superior Eleitoral) com o número BR-01522/2018. O levantamento foi realizado entre os
dias 8 e 9 de setembro com 2000 eleitores e a margem de erro é de 2 pontos percentuais, para mais ou para
menos.

No cenário espontâneo, a intenção de voto de Bolsonaro passou de 21% para 26%, de uma semana para
outra, enquanto neste último levantamento apenas 12% votariam em Lula, ante 21% da pesquisa anterior.
Ciro Gomes (PDT) foi de 4% para 7%, alta acima da margem de erro, enquanto Geraldo Alckmin (PSDB) e
Marina Silva (Rede) se mantiveram em 3%, mesmo percentual de João Amoêdo (Novo) e de Fernando
Haddad (PT). Álvaro Dias (PODE) oscilou positivamente de 1% para 2%, enquanto os demais não
pontuaram. Não sabem ou não responderam passaram de 24% para 22%, não votariam em ninguém foram
de 14% para 13%, enquanto brancos e nulos oscilaram de 5% para 4% em uma semana.
Já na intenção de votos estimulada – desta vez há o cenário apenas com Fernando Haddad como substituto
de Lula, uma vez que o ex-presidente petista teve a sua candidatura barrada -, Jair Bolsonaro passou de 26%
de intenção de voto no levantamento anterior para 30%. Enquanto isso, Ciro Gomes ganhou ainda mais
força para disputar o segundo turno ao ultrapassar Marina Silva, apesar de manter os 12% das intenções de
voto do levantamento anterior.

Isso porque Marina teve forte queda de 11% para 8% de uma pesquisa para outra sendo que, duas semanas
atrás, tinha 15%. Alckmin manteve os 8%, enquanto Haddad oscilou no limite da margem de erro, passando
de 6% para também 8%. Ou seja, em terceiro lugar, os candidatos do PSDB, da Rede e do PT aparecem com
os mesmos 8%. Amoêdo oscilou para baixo, passando de 4% para 3% dos votos, enquanto Alvaro Dias
seguiu com 3%. A porcentagem de quem não votaria em ninguém caiu de 18% para 13%, branco/nulo
somam 3%, enquanto não sabe/não responderam foi para 8%.
Os eleitores de Bolsonaro também são aqueles cuja certeza do voto é maior. Para 78% deles, a decisão de
voto é definitiva, sendo seguido pelos de Haddad (68%), Alvaro Dias (62%), Amoêdo (59%), Ciro (58%),
Alckmin (49%), Boulos (40%), Marina (37%) e Meirelles (24%). Vale destacar que 55% dos que disseram
votar branco/nulo apontaram ter certeza do seu voto.
O apoio de Lula a Haddad também mostrou uma certa estabilidade em sua importância. O número de
pessoas que não votaria de jeito nenhum em Haddad caso Lula apoiasse o ex-prefeito paulistano oscilou
dentro da margem de erro, de 61% para 63%, enquanto o número dos que votariam com certeza foi de 19%
para 20%. Os que poderiam votar oscilou para baixo, de 14% para 12% de uma semana para outra.
Potencial de voto X rejeição
Com relação ao potencial de voto (porcentagem dos que poderiam votar em um determinado candidato),
Bolsonaro aparece na frente com 40%, ante 35% do levantamento anterior, sendo seguido por Ciro, que
oscilou positivamente de 34% para 36%.
Já Alckmin subiu de 27% para 30% de uma semana para outra, sendo seguido por Marina, que caiu de 35%
para 29%. Haddad aparece em seguida, subindo de 20% para 24%. Alvaro Dias teve alta de 15% para 19%,
mesmo percentual de Meirelles,que subiu ante os 12% de potencial de voto da semana passada, enquanto
Amoêdo oscilou para cima, passando de 11% para 12%. Cabo Daciolo (PATRI) tem 7% de potencial de
voto, seguido por Guilherme Boulos com 5%, mesmo porcentual de João Goulart Filho (PPL) e Vera Lúcia
(PSTU). Já José Maria Eymael (DC) registra 4% de potencial de voto.
10/09/2018 Bolsonaro sobe de 26% para 30% dos votos e lidera isolado; Ciro desponta no 2º lugar, diz pesquisa

Já Marina Silva ultrapassou Alckmin na lista de maior rejeição – ou seja, a porcentagem de quem não
votaria “de jeito nenhum” no candidato/candidata – passando de 58% para 64%, um forte aumento ainda
mais considerando os 54% de rejeição registrados no levantamento de duas semanas atrás. Alckmin oscilou
para baixo em termos de rejeição, passando de 63% para 61%. O tucano é seguido por Meirelles, que teve
queda de 55% para 52%, mesmo percentual de Haddad. Ciro Gomes e Bolsonaro possuem 51% de rejeição,
mesmo patamar do levantamento anterior.

InfoMoney

Quer contar alguma coisa? Então conta pro Notícias MS !

Se você tem alguma informação importante e quer compartilhar, conta pra nós!

Conta aí meu Povo:
WhatsApp (67) 98448-9787

Redes Sociais:
https://www.facebook.com/notims
https://www.instagram.com/noticiasms/

O sigilo é garantido pela lei, envie denúncias, reclamações e sugestões.

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Previous Next
Close
Test Caption
Test Description goes like this