Câmara aprova aumento de 28% nos salários de prefeito e vereadores, mesmo com manifestação da população

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
23/10/2019
Renata Volpe
Manifestantes levaram cartazes pedindo o não reajuste salarial, mas projeto foi aprovado. (Câmara de Ribas do Rio Pardo, Divulgação)

Por seis votos favoráveis, os vereadores de Ribas do Rio Pardo, distante 102 quilômetros de Campo Grande, aprovaram na noite de terça-feira (22) o projeto de lei para reajuste salarial de 28% nos vencimentos do prefeito, vice-prefeito, vereadores e secretários, mesmo com protestos da população.

Se sancionado pelo prefeito, o salário do chefe do Executivo municipal será de R$ 19.920,70; do vice-prefeito, R$ 9.960,34; secretários municipais, R$ 7.370,64 e dos vereadores, R$ 7.552,00, a partir de 2021.

De acordo com informações do site Rio Pardo News, manifestantes levaram cartazes pedindo o não reajuste do salário dos políticos, mas o protesto não surtiu efeito e seis dos dez vereadores necessários para aprovação do projeto, foram favoráveis.

Votaram a favor do aumento salarial, o presidente da Casa de Leis, Paulo da Pax (PL), Robertão (MDB), Boca de Lata (PL), Luiz do Sindicato (PTB), Paulinho Machado (MDB) e Lourenço Vidraceiro (PL).

Quatro políticos votaram contra. São eles: a primeira secretária, Fabiana Galvão (Patri); Anderson Arry (Patri); Lucimar Duarte (Patri) e Nayara Pereira (PSB).

A vereadora Sônia Passos (PSDB) se absteve do voto na primeira e segunda discussão. O vereador Anderson Arry (Patri), usou a tribuna pedindo a retirada do projeto da pauta, mas o pedido não foi atendido pelo presidente da Casa de Leis, mesmo Arry tendo sido aplaudido pelos manifestantes.

Durante a votação, os manifestantes viraram as costas para o plenário e começaram a gritar, mas a sessão não foi interrompida, segundo relatou o jornal. Os gritos atrapalharam a votação e o presidente precisou pedir para alguns vereadores repetissem o voto porque não conseguia ouvir.

Vereadores contrários ao projeto, vão avaliar se a sessão não deve ser anulada por este motivo, ou seja porque o presidente não teve controle de situação e os votos não ficaram registrados com a devida clareza.

O vereador Paulinho Machado reafirmou seu voto positivo e foi chamado de coronel da política, comparado ao ex-governador da Bahia, Antônio Carlos Magalhães, pela imprensa estadual. Agora, o projeto vai para a sanção do prefeito Paulo Tucura (DEM).