terça-feira, 16 abr 2024

Citando números errados, Marquinhos toma invertida de Riedel no tema Saúde

Citando números errados, Marquinhos toma invertida de Riedel no tema Saúde

20 setembro – 2022 | 17:17

No Debate do Midiamax, Eduardo Riedel mostra como melhorar o setor nos próximos anos

Eduardo Riedel (PSDB), candidato ao Governo de Mato Grosso do Sul pela Coligação Trabalhando por um Novo Futuro (Número 45), deu uma aula de saúde pública ao ex-prefeito de Campo Grande, Marquinhos Trad, há pouco, durante o Debate Midiamax.

Marquinhos usou números irreais para criticar a saúde pública no Estado e na capital. “O senhor manipula os números. Confunde custeio, investimento e esfera de investimento. Atenção básica é responsabilidade sua, não do Governo. O senhor fala de R$ 46 milhões repassados à Santa Casa, mas se esquece do R$ 600 milhões que mandamos para o Hospital Regional, que atende 78% de Campo Grande. Disso o senhor não fala. O senhor não pôs R$ 1 real para atender o campo-grandense, mesmo tendo a gestão plena da saúde na capital”, disparou Riedel.

Marquinhos também levou uma invertida quando criticou a condução da pandemia no Mato Grosso do Sul dizendo que prefeitos ligavam para ele em busca de socorro. “Me aponte os prefeitos que ligaram ao senhor pedindo ajuda na pandemia, eles ligaram para que o senhor não proibisse a vacina na fronteira, que você quis tirar e foi, inclusive, denunciado no Ministério Público por isso. Não falte com a verdade”, disparou Riedel.

Uma das estratégias para a melhoria da saúde em MS, segundo Eduardo Riedel, é a ampliação do processo de regionalização, desafogando a estrutura da capital e dando condições para que o interior do Estado possa dar conta de sua demanda.

O financiamento da saúde pública no Brasil é tripartite. Isso significa que a União os Estados e Municípios tem que contribuir com uma fatia de sua manutenção. Historicamente esta divisão tem pesado mais aos cofres estaduais e municipais, que são os grandes responsáveis pela manutenção da máquina do SUS, hoje.

“A manutenção do custeio de leitos de UTI e o financiamento do próprio SUS passam, portanto, por políticas públicas que permitam investimentos superiores ao teto constitucional da Saúde. Para isso, é preciso fortalecer ainda mais a nossa economia, dando aos municípios fôlego fiscal para ampliarem sua margem de investimentos. E é isso que faremos”, afirmou Riedel.

Segundo o candidato, o Estado deve garantir não só o mínimo constitucional mas, também, ampliar este percentual conforme a necessidade. “Para isso, vamos continuar trabalhando para aumentar a pujança econômica de Mato Grosso do Sul, gerando mais riquezas e, em consequência, aumentando nossa capacidade de investimento”, garantiu.

Apesar da pandemia, que comprometeu o sistema de saúde, mas que foi enfrentada com investimentos sólidos em MS, o Estado conseguiu ser o que mais vacinou no Brasil, justamente por esta relação com os 79 municípios, esta sinergia que atendeu a população, colocando a vacina no braço das pessoas, inclusive na fronteira. Eduardo Riedel foi o grande articulador deste processo, à frente do Prosseguir, plano de governo que fez e ainda faz frente à doença.

O processo de regionalização da saúde tem sido fundamental, e será ampliado nos próximos anos. A regionalização da saúde, com a construção e ativação de novos hospitais, está sendo vital para desafogar o fluxo de pacientes na capital. Com isso, o atendimento de pacientes do interior em Campo Grande diminuiu de 45% para 9%.

“A regionalização existe na prática. Assumimos um governo com 500 mil pessoas na fila de procedimentos, por isso realizamos a Caravana da Saúde. Ela foi fundamental para diminuir as filas num primeiro momento. E agora temos que continuar o processo”, disse Riedel.

Para ele, o caminho para uma saúde mais potente em Mato Grosso do Sul e em Campo Grande é dar foco à Atenção Básica. “E vamos trabalhar junto com os municípios para contratar mais profissionais de saúde, dependendo do resultado que cada município apresentar na Atenção Básica”.

AÇÕES EM CAMPO GRANDE

As ações de Eduardo Riedel nos últimos sete anos e meio, quando liderou as equipes de Governo e de Infraestrutura – viabilizaram milhões de reais em Campo Grande, desde 2015.

Na área da saúde, os investimentos ultrapassam os R$ 900 milhões em repasses e os R$ 110 milhões em reestruturação de diversas unidades de saúde. Campo Grande ganhou as reformas do Hemosul, do Laboratório Central e do Hospital Regional de Mato Grosso do Sul. A ação e Riedel ainda viabilizou recursos na conclusão do Hospital do Trauma, anexo à Santa Casa, que ficou mais de 10 anos paralisado, e no Hospital de Câncer Alfredo Abrão.

Desde 2015, a evolução de leitos de UTI no Estado foi grande. O Estado recebeu 177 novos leitos (passando de de 316 para 493), um aumento de 56%. Estes dados são importantes, pois desafogam a saúde na capital. A regionalização da Saúde, capitaneada por Eduardo Riedel, afetou também o número de exames de alta complexidade (como ressonância), reduzindo a pressão sobre a estrutura de Saúde de Campo Grande capital, reduzindo radicalmente a prática da “ambulancioterapia”.

Compartilhe suas notícias conosco!
Possui informações relevantes? Estamos aqui para ouvi-lo!

Entre em contato:
WhatsApp: (67) 98448-9787

Nossas Redes Sociais:
Facebook
Instagram

Garantimos seu sigilo conforme a legislação. Envie-nos denúncias, reclamações e sugestões.
Sua voz é importante para nós!

Últimas Notícias