Maracaju: Do corte de cana a empresária. Sabrina Nunes tem faturamento de R$ 6 milhões e empresária se tornou referência nacional de semijoias

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
08/11/2019
Redação
Foto - Divulgação

O corte de cana-de-açúcar em Maracaju foi o ponto de partida na jornada da mineira Sabrina Nunes. Hoje com 33 anos, a empresária criou a sua marca em 2012, quando começou a montar e vender bijuterias como complemento de renda; sete anos depois, a sua empresa “Francisca Joias” é o maior e-commerce de semijoias do país.

“Comprei R$ 50 em matéria-prima: montava e vendia e o que ganhava, reinvestia”, lembra a CEO da empresa, que desde muito jovem tirou vantagem do seu perfil empreendedor.

Nascida em Itinga, município do norte de Minas, mudou-se para Maracaju, em Mato Grosso do Sul, para trabalhar num canavial. “Essa fase doeu muito, doeu as mãos que ficaram calejadas e com sangue, doeu na alma. Não foi fácil, a comida era fria, não tinha banheiro, mas eu aprendi. Tudo na vida ensina, tudo te fortalece! Eu aprendi a valorizar coisas pequenas e que hoje fazem muita diferença na minha jornada”, disse ela.

Seu foco desde o início foi alcançar postos mais altos. Depois de um período no corte de cana foi admitida como secretária na própria usina. Ainda em Maracaju, Sabrina estudou e se formou em Serviço Social, depois ela conseguiu uma bolsa de estudos para cursar engenharia no Rio de Janeiro e então decidiu deixar o MS.

Mudou-se mais uma vez de cidade, conseguiu trabalho em um escritório e buscou algo que lhe garantisse ganhos extras. Aquela atividade complementar – que ganhou o nome da avó da então estudante universitária – hoje tem 600 revendedoras em diversos estados brasileiros e deve faturar R$ 6 milhões até o final de 2019.

Como estratégia para a empreitada, nascida da necessidade, a empresária sempre apostou no ambiente online, nas redes sociais, e – em parte – atribui a essas ferramentas o alcance da Francisca Joias. Também cabe destaque, segundo ela, para o foco em um modelo construído “de pessoas para pessoas”.

“Qualquer negócio que queira sobreviver precisa pensar em tecnologia, mas uma coisa é muito importante para quem quer ter sucesso na internet”, ensina a empreendedora, “entender que ela é feita de pessoas, que compram de pessoas, que esperam atendimento bom e humanizado”, conclui.

Com perspectiva de crescimento de 30% nas vendas na comparação com 2018, o próximo passo do e-commerce é alcançar a meta de mil pedidos por dia.

“É uma meta audaciosa e tem que ser, porque toda vez que você deixa de crescer você está morrendo, é simples assim”, sentencia Sabrina, que hoje vende 12 mil peças por mês e tem 4 mil modelos no portfólio.

O início desse crescimento no município de Maracaju foi apontado pela empresária em várias entrevistas na TV e na internet, uma delas apresentou um documentário sobre “ex-boias frias” que viraram empreendedoras de destaque no Brasil e no mundo e hoje comandam negócios milionários de muita referência.