Maracaju/MS
26°C
Clear sky
Dourados/MS
25°C
Clear sky

Política de incentivos fiscais do governo ajuda a gerar empregos e atrair novos investimentos em 2021

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
28/09/2021
Redação

Para gerar mais empregos e atrair investimentos privados a Mato Grosso do Sul, o governo do Estado continua com sua política de incentivos fiscais neste ano, que contribuiu para vinda de novas fábricas e o impulsionamento de setores importantes para economia, como o turismo regional.

Um dos pontos altos desta política foi anúncio, em maio, da construção da fábrica de celulose da Suzano, em Ribas do Rio Pardo, que terá um investimento de R$ 14,7 bilhões, com a previsão da geração de mais de 10 mil empregos. É o maior investimento privado do Brasil no ano de 2021.

Governador visita obra da fábrica em Ribas do Rio Pardo (Foto: Saul Schramm)

Para conseguir concretizar o projeto, o governo do Estado criou uma política de incentivos fiscais e firmou compromissos com a empresa para investimentos na região e o uso de mão de obra local para uma parcela do empreendimento, que vai levar desenvolvimento econômico e social ao município. Em Ribas inclusive já foi instalado uma unidade do Corpo de Bombeiros.

“A nova fábrica demonstra que estamos no caminho certo, transformando Mato Grosso do Sul em um Estado de oportunidades para todos, com sustentabilidade e qualidade de vida da população. Assim mantemos o ritmo de crescimento em todo Estado”, afirmou o governador Reinaldo Azambuja.

Obras em andamento

Os investimentos seguem em diferentes regiões do Estado. Em agosto o governador lançou a segunda fase de obras da Inpasa Agroindustrial, em Dourados. Com investimento privado de R$ 2 bilhões, essa é considerada a maior e mais diversificada planta da empresa, que tem cinco unidades, sendo três no Brasil e duas no Paraguai.

O complexo industrial possui 200 mil m² de área construída para fabricação de etanol, DDGS (farelo de milho), óleo de milho em bruto e geração de energia elétrica, a partir do grão de milho. A unidade começou a ser construída em abril deste ano e deve começar a operar já em 2022. São 1500 empregos diretos e estima-se mais de 3 mil indiretos. Quando estiver em operação, a indústria deve criar 250 empregos diretos e 2 mil indiretos

O governo visa tanto a geração de empregos e renda na região, como mais uma forma diversificar a economia do Estado. “Tudo isso que está acontecendo é por conta de um fator muito simples, que a confiança do empresário no estado de Mato Grosso do Sul que está oferecendo ambiente competitivo, infraestrutura, logística, incentivos fiscais”, explicou o secretário de Infraestrutura, Eduardo Riedel.

Setor em expansão

Com a liderança nacional de exportação de tilápia no semestre, Mato Grosso do Sul segue em expansão no setor. Em janeiro o governador anunciou a vinda da primeira indústria frigorífica de pescados para tilápia enlatada no Brasil, que será implantada em 2022 na cidade de Itaporã. O empreendimento é da Frescomares.

A expectativa é a construção da unidade em uma área de 73 hectares, com investimento de R$ 20 milhões. A previsão é de gerar 120 empregos por turno, sendo que, no auge da produção, a indústria deverá funcionar em 3 turnos. A vinda da empresa consolida a expansão da piscicultura no Estado.

“Nosso Estado é hoje o maior exportador de tilápia do Brasil e os investimentos na piscicultura têm se mostrado promissores. Essa indústria em Itaporã, além de ser um empreendimento inédito no país, já é um resultado efetivo da política de incentivos fiscais implantada pelo Governo”, descreveu o titular da Semagro, Jaime Verruck.

Incentivo ao turismo

Para fortalecer a retomada do turismo no Estado, o governador revelou a abertura de uma linha aérea direta de Bonito a São Paulo, por meio da companhia Gol Linhas Aéreas, que vai começar a funcionar a partir de 2 de dezembro. Ela vai seguir direto da cidade para o Aeroporto de Congonhas.

Esta linha direta foi concretizada em função do programa “Decola MS”, que reduz a cobrança de impostos sobre o combustível da aviação, para facilitar a abertura de novos voos comerciais ao Mato Grosso do Sul.

“O programa veio para baratear o ICMS do querosene, prospectando novos voos. Isto potencializa a abertura de novos voos para vários destinos. Com ele, abrimos mão de tributo para gerar movimentação econômica, com hotéis, passeios, bares e restaurantes cheios”, descreveu o governador.

O governador Reinaldo Azambuja destaca que esta política visa “trocar incentivos por empregos” e assim impulsionar a economia estadual em diversos setores. Além disto os investimentos em infraestrutura e logística constroem este ambiente favorável.

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp